Tamanho do texto A A A

Cirurgia restaura a audição e a esperança de jovens irmãos sírios

Depois que o vídeo dos refugiados sírios Mohamed e Issam viralizou, a Cruz Vermelha do Kuwait financiou as operações para que pudessem ouvir pela primeira vez.

Jiyeh, Líbano, 09 de fevereiro de 2018 - Foi durante uma visita ao dentista há seis anos, em sua cidade natal na zona rural de Alepo, que Badriyeh Hayan descobriu a verdade por trás da personalidade "tímida e silenciosa do filho" Mohamed, com então com quatro anos de idade. O dentista percebeu que o jovem não respondeu à voz da mãe e disse: "Eu acho que seu filho é surdo".

Os exames confirmaram que tanto Mohamed quanto seu irmão mais novo, Issam, nasceram surdos. Mas com apenas a pouca renda de seu marido Abdul Latif para apoiá-los, a família não tinha como pagar a onerosa cirurgia de implante coclear que permitiria que seus filhos ouvissem.

O agravamento do conflito na Síria tornou a situação ainda pior. Os pesados bombardeios chegaram ao bairro e destruíram sua casa, forçando a família a fugir para o vizinho Líbano. Eles se mudaram para um assentamento informal em Jiyeh, a cerca de 20 quilômetros ao sul da capital libanesa, Beirute.

Se mantendo com os vouchers mensais de alimentação, e mais o que Abdul Latif consegue ganhar com seu trabalho manual, a família vive uma existência precária em um país onde mais da metade dos quase um milhão de refugiados sírios registrados vivem em situação de extrema pobreza.

Então, em junho do ano passado, o ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, organizou a visita da jornalista libanesa Rima Maktabi ao assentamento onde moram. Um vídeo dela interagindo em Libras com Mohamed e viralizou na internet e resultou com a Cruz Vermelha do Kuwait oferecendo pagar mais de 50 mil dólares para cobrir os custos das cirurgias.

"Uma pessoa do ACNUR me contatou para dizer que eles iriam pagar a cirurgia para os meus filhos", recorda Badriyeh. "Eu não podia acreditar. Estamos lutando para sobreviver, como poderíamos fazer a cirurgia? Eu comecei a chorar ".

Mohamed aguarda a checagem de altura e peso no Hospital Sacre Coeur em Hazmieh. © ACNUR / Sam Tarling

Apesar do nervosismo de Badriyeh antes das operações de quatro horas para que os se adequassem ao implante, no Hospital Sacre Coeur de Beirute, a cirurgia - organizada pela parceira do ACNUR na Fundação Makhzoumi em agosto de 2017 - foi um sucesso. Em dois meses os meninos começaram a ouvir pela primeira vez.

"No começo eles não conseguiam lidar direito com isso, não estavam acostumados", ela explica. "Mas depois de um tempo adoraram. Agora, sempre que os chamo, eles me olham e sorriem. "

Outro benefício da cirurgia é que os meninos finalmente puderam ir à escola, o que nunca haviam feito antes. Durante a semana eles frequentam as aulas em uma escola especial em Saida, com as taxas, livros e transporte também pagos pela Cruz Vermelha do Kuwait. Aos sábados, eles têm sessões de fonoaudiologia no hospital para ajudá-los a falar com clareza.

"Mídias sociais mudam vidas", diz Mohammed Abu Asaker, Diretor Regional de Informações Públicas Sênior do ACNUR. "A experiência de Mohammed e Issam é uma prova do poder das comunidades virtuais e do indivíduo, para fazer a diferença. Estou emocionado por vê-los ouvir e falar pela primeira vez ".

Dos cerca de 5,48 milhões de refugiados do conflito na Síria, as organizações estimam que um em cada cinco tem uma deficiência física, sensorial ou intelectual. Em situações de deslocamento forçado, as pessoas com deficiência muitas vezes enfrentam barreiras ao acesso a serviços como a educação.

De volta em sua casa, Mohamed foca intensamente no som da voz de sua mãe e repete os números conforme ela os pronuncia. Badriyeh permite-se um sorriso de profunda satisfação, e admite que ainda não pode acreditar no que aconteceu.

"Liguei para todos que eu conheço para dizer que os meus filhos fizeram a operação e agora podem ouvir", diz ela. "Eu tinha perdido a esperança deles fazerem a operação e irem à escola. É como um sonho que se tornou realidade ".

Por Rima Cherri e Mazen Hashem, com relatórios adicionais de Houssam Hariri