Notícias

Refugiados sensibilizam sociedade brasileira sobre importância da integração

Refugiados sensibilizam sociedade brasileira sobre importância da integração
Refugiados residentes no Brasil participaram da Youth Initiative em São Paulo. © ACNUR/ L.F.Godinho

São Paulo, 27 de novembro de 2014 (ACNUR) – “Viva o Brasil. Viva o Brasil”. Na Praça da Sé, localizada no centro da maior metrópole brasileira, refugiados que moram em São Paulo cantam este refrão e balançam bandeiras de diferentes países numa coreografia ensaiada.

Vista do alto, a imagem que vai se formando pela dança das bandeiras é emoldurada pelas torres neogóticas da Catedral Metropolitana de São Paulo, pelos coqueiros da praça e pelos edifícios da cidade na qual estes refugiados estão refazendo suas vidas, longe de conflitos, guerras e perseguições. Tudo está sendo registrado em um documentário elaborado pelos próprios refugiados como parte de um projeto inédito de sensibilização e conscientização do brasileiro sobre o tema do refúgio.

A homenagem ao Brasil é legítima, mas os refugiados que participaram desta atividade em uma nublada manhã de domingo – além de outros que não estiveram na praça, mas que estão envolvidos com o projeto – consideram que a maioria dos brasileiros desconhece o tema do refúgio. Esta falta de informação, segundo eles, gera preconceito e dificulta sua integração social e econômica no Brasil.

Para tentar mudar esta situação, vários refugiados que vivem no Brasil – especialmente jovens – se uniram em torno de um projeto para sensibilizar a população brasileira sobre sua situação e seus direitos: trata-se da “Youth Initiative” (ou “Iniciativa Jovem”), promovida pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) em todo o mundo.

O objetivo global da “Iniciativa Jovem” é contribuir para a proteção e o desenvolvimento de habilidades dos jovens refugiados por meio de projetos que são pensados, elaborados e executados por estes mesmos jovens. Neste contexto, propostas elaboradas por jovens refugiados em mais de 60 países foram submetidas ao ACNUR e somente 16 foram selecionadas: entre elas, o projeto de sensibilização construído pelos jovens refugiados que vivem em São Paulo.

A atividade realizada na Praça da Sé é parte deste projeto e será incluída em um videoclipe que busca desconstruir algumas das visões incorretas e estereotipadas que, segundo eles, muitos brasileiros possuem sobre o tema.

No vídeo, os refugiados reproduzem a chegada em São Paulo com malas identificadas com as bandeiras de seus países, mas também com adesivos representando estereótipos negativos normalmente associados à sua terra natal. Quando essas malas são abertas, começa a desconstrução dos preconceitos, que é embalada por uma música composta pelo grupo. Muitas das cenas têm sido mantidas em segredo, para não quebrar o impacto do lançamento do videoclipe, previsto para o final deste ano.

Mesmo não tendo o português como sua língua materna, os refugiados que compuseram a música do videoclipe escreveram a letra em português, para inserir somente ao final da música algumas frases em seus próprios idiomas. Do árabe ao espanhol; de urdo ao iorubá, os quase dez idiomas registrados na música representam a diversidade da população refugiada no Brasil: cerca de 7.200 pessoas, de mais de 80 nacionalidades diferentes.

“Eu saí da minha terra pra salvar a minha vida, e têm várias histórias que a gente passou”, dizem os primeiros versos da canção, que retrata vários fatos que levam uma pessoa a se tornar um refugiado. O reconhecimento pelo acolhida dada no Brasil vem a seguir: “Viver aqui nos traz esperança. Queremos compartilhar a nossa cultura. Brasil nos dá mais segurança. Nós somos muito mais felizes agora”.

 O vídeo também traz depoimentos sobre a vida dos refugiados no Brasil, nos quais contam fragmentos de sua história e reconhecem a generosidade do país em acolhê-los e as oportunidades para começar uma nova vida.

Coordenado pela equipe da Caritas Arquidocesana de São Paulo, o projeto envolveu discussões entre os próprios refugiados, que identificaram as principais barreiras à sua integração no país.

O projeto vem sendo executado desde agosto de 2014 e inclui – além da realização do vídeo – oficinas de trabalho com os refugiados sobre seus direitos e deveres no Brasil e sobre criação, redação, roteiro e música. Estas oficinas foram desenvolvidas ao longo dos vinte encontros que antecederam a gravação da música (em um estúdio) e do videoclipe.

Um dos mais ativos participantes do projeto é o jovem Uchen Henry, de 21 anos, refugiado da Nigéria que vive no Brasil há quase dois anos. Ele deixou seu país por causa de perseguições a ele e à sua família e atualmente trabalha como professor de inglês em uma escola particular.

“O Brasil dá segurança e esperança para os refugiados, mas os brasileiros precisam entender melhor quem somos e porque estamos aqui”, afirma Uchen. Ele conta que as pessoas costumam confundir as palavras “refugiado” e “fugitivo”, o que deixa os refugiados numa situação incômoda – pois gera reações de medo, e não de solidariedade.

Para o refugiado sírio Talal Altinawi, que passou a integrar o projeto a partir da gravação do videoclipe,  “os brasileiros devem saber que os refugiados são pessoas como outras quaisquer”. Ele chegou ao país há dez meses, com a mulher e duas filhas. Um novo filho está a caminho, pois sua mulher está grávida de seis meses. “Somos irmãos e devemos viver em harmonia”, afirma Talal, que trabalha atualmente como engenheiro mecânico, exercendo a mesma profissão na qual se graduou na Síria.

Para alguns refugiados, a participação no projeto tem sido uma maneira de externar opiniões e de se fazer ouvir. “Podemos nos expressar, e sinto que não estamos sós”, afirma o colombiano Álvaro Rodriguez (*), que aos 40 anos vive no Brasil com as duas filhas e a mãe.

Assim como Talal e sua esposa, Rodrigues e seus filhos foram convidados pelos jovens responsáveis pelo projeto para participar das filmagens e representar as famílias que chegam ao Brasil, após sofrerem perseguições e situações de guerra em seus países.

“Quando falo que sou um refugiado, pensam que sou um delinquente, que estou escondendo algo. E isso se dá por desconhecimento”, atesta Álvaro, que trabalha como cozinheiro em um restaurante no centro da cidade. “Espero que o vídeo possa ajudar a esclarecer estes conceitos”, espera Álvaro.

Para o representante do ACNUR no Brasil, Andrés Ramirez, este projeto “está ajudando os jovens refugiados a criar um novo significado sobre o que é ser um refugiado no Brasil e a trabalhar habilidades em conjunto com outras nacionalidades, fazendo com que se percebam como um grupo com demandas específicas e similares”.

Ramirez lembra que o projeto acontece em um momento significativo para as estatísticas de refúgio no Brasil. Segundo documento divulgado recentemente pelo ACNUR e pelo Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), o número de pedidos de refúgio no país aumentou mais de 930% entre 2010 e 2013 (de 566 para 5.882 pedidos). Até outubro de 2014, já foram contabilizadas outras 8.302 solicitações. A maioria dos solicitantes de refúgio vem da África e da Ásia (inclusive Oriente Médio).

O número de refugiados reconhecidos também aumentou expressivamente neste período. Em 2010, 150 refugiados foram reconhecidos pelo CONARE, enquanto em 2014 (até outubro) houve 2.032 deferimentos pelo CONARE, o que representa um crescimento aproximado de 1.240%.

Por Luiz Fernando Godinho, de São Paulo