Refugiado constrói casas resistentes ao clima do deserto usando garrafas de plástico cheias de areia

No remoto deserto do sudoeste da Argélia, um jovem refugiado Saarauí está enchendo garrafas descartadas com areia para construir abrigos que melhor resistam ao severo clima da região.

TINDOUF, Argélia, 07 de fevereiro de 2017 – Com um mestrado em eficiência energética, o refugiado Saarauí Tateh Lehbib Breica tinha originalmente planejado construir uma casa energeticamente eficiente no deserto, usando garrafas descartadas para um jardim no terraço.

Mas como a construção da forma circular do telhado era um desafio, o jovem de 27 anos viu-se com inúmeras garrafas que já não eram boas para o propósito inicial de plantar mudas.

“Perguntei a mim mesmo: ‘O que posso fazer com essas garrafas?’”, diz Breica, que nasceu e cresceu no campo de refugiados de Awserd, frequentou uma universidade em Argel, capital da Argélia, com uma bolsa de estudos e depois entrou para o mestrado em uma universidade espanhola.

“Então eu lembrei de um documentário que eu tinha visto… sobre construir usando garrafas de plástico, e pensei: ‘Por que não tentar isso?’"

“Então eu lembrei de um documentário que eu tinha visto, durante meus estudos universitários, sobre construir usando garrafas de plástico, e pensei: ‘Por que não tentar isso?’"

Oferecer habitação adequada que resista às duras condições climáticas do deserto é um desafio no campo de Awserd, um dos cinco na área que circunda Tindouf, e que abriga refugiados Saarauís que escaparam da luta na Guerra do Saara Ocidental há mais de 40 anos.

Casas construídas com tijolos de adobe, são vulneráveis às fortes chuvas que periodicamente atingem o deserto do Saara, como uma tempestade que no final de 2015 demoliu milhares de casas. As frequentes tempestades de areia também enchem as casas e as tradicionais barracas Saarauí, com poeira sufocante, levando a evacuações temporárias.

A primeira casa construída por Breica, usando garrafas descartadas cheias de areia, era para sua avó idosa, que tem dificuldade para caminhar e foi ferida ao ser levada para um centro comunitário no campo para sentar-se do lado de fora durante uma tempestade de areia.

Além de ter maior resistência estrutural à água, a casa circular de paredes espessas, além de aerodinâmica, provou ser melhor para bloquear a areia penetrante e poeira das tempestades de areia, também chamadas de haboobs.

O interesse de Breica em construir com recipientes de plástico descartáveis ??lhe rendeu o apelido de “Majnoun al qarurat”, o “Louco das garrafas”. A singularidade da estrutura, juntamente com os posts que a Breica fez no Facebook, também garantiu que a casa recebesse muita atenção além da esfera do campo.

Os funcionários do ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, estavam entre os que perceberam os benefícios da casa e vieram conferi-la de perto.

“Após as chuvas pesadas de outubro de 2015 que danificaram e destruíram dezenas de milhares de casas construídas com tijolos de adobe, o ACNUR vem trabalhando com os Saarauís no aprimoramento das técnicas de construção, para melhor resistir ao clima severo desta região”, diz Juliette Murekeyisoni, Coordenadora Sênior do ACNUR em Tindouf. “Temos apoiado o uso de tijolos fortificados com cimento, e agora estamos apoiando o uso de garrafas de plástico”.

“Casas de adobe podem ser destruídas por chuva pesada ou prolongada. O uso de garrafas de plástico… irá criar estruturas mais duráveis”.

O Oficial de Abrigo Otis Moore explica que as garrafas de plástico têm vantagens sobre as casas de tijolos de adobe e tendas familiares tradicionais utilizados pela maioria dos Saarauís, enquanto o projeto da casa circular em si traz seus próprios benefícios.

“Como as casas de adobe podem ser destruídas por chuva pesada ou prolongada. O uso de garrafas de plástico em vez de tijolos de adobe irá criar estruturas mais duráveis, e adotamos a forma circular porque é aerodinâmica e pode resistir a tempestades de forma mais eficaz”.

Atualmente, em um projeto financiado pelo Fundo de Inovação do ACNUR, Breica está trabalhando para construir 25 casas usando garrafas de plástico cheias de areia no lugar de tijolos em cinco campos: Awserd, Boujdour, Dakhla, Smara e Laayoune. As casas, que estão em vias de conclusão este mês, serão destinadas às pessoas vulneráveis.

Em reconhecimento pelo seu projeto criativo, Breica recebeu recentemente o prêmio de Personalidade do Ano de 2016 de uma revista local. No entanto, o apelido dado a ele no campo pegou: “As pessoas ainda me veem como o cara obcecado com a reciclagem de garrafas e construção de casas incomuns”, diz.