ACNUR destaca a necessidade de cooperação regional solucionar deslocamento forçado na América Central

O Alto Comissário Assistente para Proteção do ACNUR, Volker Türk, participou do primeiro Diálogo Regional de Proteção, onde abordaram as conquistas e desafios na proteção nacional e internacional junto aos representantes de El Salvador, Guatemala e Honduras e trataram do caminho a seguir para uma resposta regional.

SAN SALVADOR, El Salvador, 24 de maio de 2017 – “O que temos em países da América Central não é um problema de migração, é uma crise de refugiados”, indicou o Alto Comissário Assistente para Proteção da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), Volker Türk, durante sua visita a El Salvador, Guatemala e Honduras. “Precisamos de uma resposta integral e efetiva para essa crise de deslocamento, que envolve toda a região”, destacou.

Volker Türk indicou que o objetivo do Diálogo de Proteção é “alinhar soluções operacionais e regionais à problemática multicausal de refugiados. Dessa forma, o diálogo nos permite visualizar o progresso que os países da região tiveram para aceitar as realidades de deslocamento e migração nos últimos anos e levar soluções desde o foco regional e internacional”.

Türk começou sua visita em El Salvador, reunindo-se com o vice-presidente do país, Oscar Ortiz. Ambos inauguraram a Oficina Local de Atenção às Vítimas (OLAV) no Centro de Atenção Integral para Migrantes La Chacra. Uma das prioridades do ACNUR é apoiar os esforços do Estado de El Salvador na resposta às vítimas da violência por meio do OLAV.

Durante o evento de inauguração, o Alto Comissário Assistente para Proteção afirmou que a proteção do indivíduo é o mais importante. “É fundamental que encontremos rotas e maneiras para assegurar que [as pessoas que retornaram] possam reintegrar-se na sociedade”, comentou.

O vice-presidente Ortiz concluiu o encontro reiterando o compromisso de seu governo com as vítimas. “Vamos a continuar com esse trabalho, vamos a continuar fazendo com que o sistema cresça, acreditamos que deve ser um esforço transversal para colocar o foco integral no tema da violência”.