Casas em ruínas, aldeias destruídas: congoleses retornam para casa

Equipe do ACNUR relata enormes desafios humanitários na província de Ituri, na República Democrática do Congo.

O local do Hospital Geral em Bunia, a capital da província de Ituri da República Democrática do Congo. © ACNUR / Natalia Micevic

TCHOMIA, República Democrática do Congo – Os barcos de pesca atracam nas margens do Lago Albert, no nordeste da República Democrática do Congo. As crianças brincam na água rasa, enquanto os adultos lotam o mercado movimentado.

É difícil de acreditar que em Tchomia, no ponto onde frágeis embarcações e canoas superlotadas cruzam as águas até Uganda, estivesse deserta há alguns meses.

Desde abril, estima-se que 150.000 congoleses forçados a fugir por causa da violência étnica voltaram à região, na província de Ituri. No entanto, condições terríveis estavam a sua espera ao retornarem.

Esta, de 18 anos, foi forçada a fugir de Nizi, sua aldeia natal, localizada em território Djuri, na província de Ituri. Com seu marido e dois filhos pequenos, passou por Tchomia a caminho de Kondo, em Uganda. Eles retornaram a Tchomia, mas não puderam voltar para a aldeia de Esta.

“Gostaríamos de voltar a Nizi, mas apenas quando a paz for totalmente restaurada”, disse ela. “Não temos uma cara para onde voltar e também não há como alugar.”

2

Esta foi forçada a fugir de Nizi, sua cidade natal, com o marido e dois filhos pequenos. Eles retornaram a Tchomia na província de Ituri, mas não podem voltar a Nizi por causa da violência contínua. © ACNUR / Natalia Micevic

3

Betso mora na campo do Hospital Geral em Bunia, capital da província de Ituri, com sua esposa e sete filhos. A vida para a família é difícil, e eles enfrentam um futuro incerto. © ACNUR / Natalia Micevic

4

Pascaline fugiu de sua aldeia, Dese, em fevereiro, com seus quatro netos. Eles agora estão vivendo no campo do Hospital Geral em Bunia. © ACNUR / Natalia Micevic

5

Rith fugiu da cidade de Largu em janeiro com seus três filhos. Ela retornou recentemente ao território de Djugu, mas não conseguiu voltar para casa. © ACNUR / Natalia Micevic

6

Crianças brincam nas margens do Lago Albert em Tchomia, província de Ituri, onde milhares de refugiados congoleses forçados a fugir para Uganda retornaram. © ACNUR / Natalia Micevic

7

Recém-retornados estão trazendo vida de volta ao mercado de peixes em Tchomia, na província de Ituri. Muitos deles foram forçados a fugir para a Uganda no início deste ano. © ACNUR / Natalia Micevic

 

A insegurança persiste em algumas áreas, e retornar não será fácil para os cerca de 350 mil congoleses forçados a fugir de suas casas desde dezembro de 2017.

“Eu costumava coletar madeira e transformar em carvão para venda”, disse Pascaline, 59 anos, que fugiu da aldeia de Dese, na província de Ituri, com seus quatro netos em fevereiro.

“As pessoas estão sendo esquartejadas em pedaços.”

“Mas eu não teria coragem de trabalhar no campo agora … As pessoas estão sendo esquartejadas em pedaços.”

Ela agora vive em um campo de deslocados internos perto do hospital em Bunia, a capital da província de Ituri, onde aqueles que permanecem em trânsito enfrentam enormes desafios. “A vida é difícil aqui em Bunia. Às vezes recebemos apenas metade das rações alimentares. Eu fico muito doente e as crianças também.”

Pela primeira vez em meses, funcionários do ACNUR, Agência da ONU para Refugiados, puderam visitar algumas das áreas pelas quais as pessoas estão retornando.

“Nossa equipe ouviu numerosos e angustiantes relatos de violência truculenta, incluindo grupos armados atacando civis com armas, flechas e facões, aldeias inteiras dizimadas, fazendas e lojas sendo saqueadas e permanentemente danificadas”, disse em comunicado o porta-voz do ACNUR, Charlie Yaxley em.

Eles relataram que os desafios humanitários eram enormes. Hospitais, escolas e outras infraestruturas tinham sido destruídas, e havia uma preocupação especial com o número de crianças que sofrem de desnutrição aguda grave e que necessitam de cuidados médicos urgentes.

Betso, de 70 anos, também vive em um dos locais improvisados ​​em Bunia com sua esposa e sete filhos. Desde que fugiram do labirinto em Djugu, no início deste ano, as condições para a família têm sido difíceis.

“Há oito de nós espremidos nesta pequena tenda”, disse ele. “Estamos dormindo no chão porque não temos colchões. Fica tão frio à noite. Nós não sabemos onde colocar nossos filhos, eles só podem dormir em um pedaço de tecido na tenda.”

“Eu gostaria de voltar, mas onde iríamos morar? Nós literalmente não teríamos teto sobre nossas cabeças. E comer o que? Não temos mais acesso aos campos. Eu costumava vender óleo no mercado, mas minha loja foi saqueada.”

Rith, de 22 anos, também fugiu para Bunia depois que a violência irrompeu em sua cidade natal, Largu, na província de Ituri. Ela já retornou a Katoto no território de Djugu, mas, como muitos, não pôde voltar porque sua casa e seu sustento foram destruídos.

“Estou apenas esperando um sinal positivo para retornar.”

“Eles queimaram nossa casa. Eles queimaram tudo. Eu tinha um campo onde eu costumava cultivar vegetais, mas eles queimaram isso também.”

O ACNUR está fornecendo abrigo de emergência para substituir casas que foram danificadas ou destruídas, mas a falta de fundos continua a dificultar os esforços. A operação recebeu apenas 17% dos US $ 201 milhões solicitados em seu apelo humanitário à República Democrática do Congo.

“Estou apenas esperando um sinal positivo para retornar”, disse Pascaline. “Eles estão registrando as famílias interessadas em retornar e pode ser que recebamos assistência.”