ACNUR afirma que estabilizar a situação da “caravana” é urgente

Este é um resumo do que foi dito pelo porta-voz do ACNUR Adrian Edwards – a quem o texto pode ser atribuído – na coletiva de imprensa de hoje no Palais des Nations em Genebra.

Hondurenhos que viajam para o norte como parte de uma chamada caravana sobem a um caminhão em Escuintla, Guatemala, em 18 de outubro de 2018. © Reuters / Edgard Garrido

GENEBRA, 23 de outubro de 2018 – A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) tem mobilizado, desde quinta-feira (18/10), funcionários e recursos para o sul do México para assistir o governo na recepção de milhares de refugiados e de migrantes que chegaram à fronteira do México com a Guatemala em uma caravana oriunda de Honduras.

Desde segunda-feira (22/10) mais de 45 funcionários do ACNUR estão em Tapachula, na capital do estado de Chiapas, e outros estão a caminho. A fim de apoiar as autoridades mexicanas, nossas equipes estão fornecendo funcionários e ajuda técnica para garantir o direito de registro aos solicitantes de refúgio, estabelecer mecanismos de identificação e encaminhar pessoas com vulnerabilidades específicas e aumentar a capacidade de assistência e de abrigo como um todo.

As principais preocupações do ACNUR neste momento são as questões humanitárias no decorrer dos acontecimentos e os riscos, já conhecidos, de sequestro e segurança nas direções em que a caravana pode ir. Estabilizar a situação se tornou urgente. É essencial que a recepção seja garantida e que haja condições adequadas para receber aqueles que buscam refúgio outras pessoas em situação de deslocamento.

A “caravana”, estimada em 7 mil pessoas ou mais, já é o segundo fluxo organizado realizado na região neste ano. O primeiro foi em abril, também no México. Na Guatemala, o ACNUR está monitorando a fronteira de Tecun Uman, onde estamos avaliando as necessidades mais urgentes e, com nossos parceiros, fornecendo assistência humanitária aos mais vulneráveis. Em Honduras, o ACNUR está monitorando a situação na fronteira com a Guatemala por meio de seus parceiros e do escritório em San Pedro Sula. Também estamos trabalhando com as autoridades para garantir a recepção segura dos membros da Caravana que estão retornando.

O ACNUR gostaria de lembrar os países da alta probabilidade de que esta caravana inclua pessoas que estão em verdadeiro perigo. Em situações como essa, é essencial que as pessoas tenham a chance de solicitar refúgio e de ter suas necessidades de proteção devidamente atendidas antes que qualquer decisão sobre retorno ou deportação seja feita.

Para maiores informações sobre este assunto, contatar: 


Na América Latina, William Spindler, [email protected], +41 79 217 3011
No México, Maria Rubi, [email protected], +52 1 55 1242 3984
No Méxcio, Francesca Fontanini, [email protected], +52 1 55 9197 2690