Enviada Especial do ACNUR, Angelina Jolie, pede por soluções duradouras no Iêmen

A Enviada Especial do ACNUR, Angelina Jolie, pediu o estabelecimento urgente de um cessar-fogo no Iêmen e de uma solução duradoura para o conflito.

Mohammed Khaleel, 5 anos, ao lado de sua mãe dentro de sua tenda no assentamento de Darawan, no Iêmen. © ACNUR/Mohammed Hamoud

Jolie cumprimentou às recentes discussões sobre a suspensão das hostilidades e pediu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, que vem trabalhando com os países da região, que encontre, por meio de negociações, uma solução para o conflito e defenda as leis internacionais para a proteção de civis. Ela apelou para uma maior compreensão das leis de proteção aos refugiados e para que todos os países desempenhem seu papel para aliviar o sofrimento humano no Iêmen.

Jolie visitou a Coréia do Sul, onde centenas de iemenitas estão sendo hospedados após a fuga do conflito.

“Como uma comunidade internacional, nós temos agido lentamente para acabar com a crise no Iêmen. Vimos a situação se deteriorar a tal ponto que o Iêmen está agora à beira da fome e enfrentando a pior epidemia de cólera no mundo em décadas. Quando o conflito se agrava até esse ponto, muitas pessoas não têm outra escolha a não ser fugir para terem alguma chance de sobrevivência. A única maneira de permitir que os refugiados voltem para a casa e de diminuir os números globais de deslocados é acabar com os próprios conflitos. Eu espero que haja maior compreensão das realidades humanas que levam às pessoas a fugirem, dos rigorosos critérios e processos legais pelos quais, junto com autoridades nacionais, o ACNUR determina o status de refugiado, e a nossa responsabilidade compartilhada de ajudar os refugiados até que possam voltar para casa. Sem uma resposta global baseada no direito internacional e na responsabilidade coletiva, nós arriscamos uma maior instabilidade e insegurança a longo prazo, o que teria um impacto negativo em todos os países”.

Angelina Jolie esteve na Coréia do Sul como enviada especial do ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, defendendo o apoio vital aos refugiados no mundo todo. Sua visita a Seul segue a do Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados Filippo Grandi, de 23 a 24 de outubro.

Ao se encontrar com o Ministro da Justiça sul-coreno, Park Sang-ki, que dirige o ministério responsável pelas políticas domésticas de refugiados, Jolie agradeceu os esforços da Coréia do Sul para ajudar cerca de 500 iemenitas que chegaram à ilha turística de Jeju em maio. Ela reconheceu a importância dos procedimentos e da verificação, bem como dos esforços para fornecer proteção até que eles possam retornar em segurança ao seu país de origem. Ela também expressou o desejo do ACNUR de trabalhar mais estreitamente com as autoridades coreanas no fortalecimento de seu sistema de asilo.

Angelina Jolie transmitiu os agradecimentos do ACNUR ao povo da Coréia do Sul por seu apoio aos refugiados em todo o mundo. O setor privado na Coréia do Sul está doando milhões, em sua maioria oriundos de mais de 230 mil doadores individuais, demonstrando o forte senso de solidariedade dos sul-coreanos com os refugiados e com o ACNUR. Ela observou que a Coréia do Sul, com sua própria história de superar a guerra e o deslocamento, e como uma das maiores economias do mundo, tem o potencial de desempenhar um importante papel de liderança na região. Jolie também saudou os recentes esforços da Coréia do Sul para alcançar a paz na península coreana.