Fundação Education Above All e ACNUR firmam parceria para educar 450 mil crianças deslocadas na Malásia

Sua Alteza Sheikha Moza bint Nassere Filippo Grandi visitam crianças refugiadas que frequentam a escola em Kuala Lumpur. © ACNUR/Aishaalmusallam

Sua Alteza Sheikha Moza bint Nasser, do Qatar, fundadora e presidente da Education Above All (EAA), e o Alto Comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi, embarcaram em uma missão conjunta em Kuala Lumpur, capital da Malásia, para visitar projetos implementados pelo ACNUR como parte do programa Educar uma Criança, da EAA.

Durante a visita, Sheikha Moza e Grandi viram em primeira mão as conquistas do centro Dignity, um dos 131 centros de aprendizagem que o programa Educar uma Criança (EAC) opera com o ACNUR. Sua Alteza também visitou a Escola do Centro de Apoio ao Sahabat, como parte de seu carnaval anual.

A missão segue um acordo de perseguir uma parceria estratégica com o objetivo de matricular mais de 450 mil crianças refugiadas e internamente deslocadas em escolas em 15 países e aproveitar a colaboração existente. A parceria disponibilizará uma contribuição conjunta de mais de 100 milhões de dólares em suporte ao aprendizado de crianças refugiadas e internamente deslocadas. O apoio a este projeto incluirá uma contribuição do parceiro estratégico da EAA, o Qatar Fundo para o Desenvolvimento.

EAA e seus parceiros oferecem educação a mais de 7,5 milhões de crianças que estão fora da escola em 50 países. Aproximadamente 2,3 milhões dessas crianças são refugiadas ou deslocadas internas.

“É claro pelo que eu vi aqui na Malásia que educação básica de qualidade pode realmente mudar a vida de uma criança”, disse Sua Alteza Sheikha Moza, apoiadora dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. “Equipar os refugiados com conhecimento e habilidades significa que eles podem ser um ganho para seus países anfitriões e depois apoiar a reconstrução de seus países de origem. Tenho orgulho do trabalho que está sendo feito aqui e agradeço à Malásia e ao seu povo por ajudar essas crianças a terem um futuro melhor”.

Desde 2012, a EAA e o ACNUR têm trabalhado com outros parceiros e apoiadores a fornecer o acesso à educação básica de qualidade para algumas das crianças mais marginalizadas ao redor do mundo.

Na Malásia, um país que recebe mais de 167 mil refugiados, a EAA e seus parceiros apoiam mais de 9,4 mil crianças refugiadas de mais de 17 países a frequentar a escola. Além disso, mais de 6 mil crianças refugiadas em idade escolar básica ainda estão fora da escola.

“Com mais de quatro milhões de crianças refugiadas atualmente fora da escola em todo o mundo, há muito mais a ser feito”, diz Sua Alteza Sheikha Moza. “Peço que mais parceiros se apresentem – todos nós precisamos fazer nossa parte para colocar mais crianças em salas de aula – que é onde elas pertencem”.

“Não posso enfatizar mais a importância de escolas apropriadas para crianças refugiadas e internamente deslocadas, milhões das quais não têm acesso à educação de que precisam”, diz Filippo Grandi. “Educação não apenas ajuda crianças a se recuperarem, mas também estabiliza famílias, ajuda na integração local e dá esperança para o futuro”.

Atualmente, 68,5 milhões estão deslocados globalmente, incluindo mais de 25 milhões de refugiados e 40 milhões de pessoas que são deslocadas dentro de seus próprios países.