Conferência Solidária pede ação à medida que venezuelanos se deslocam em massa

Comunicado de imprensa conjunto da União Europeia, ACNUR e OIM

Venezuelanos fazem uma pausa para descansar depois de chegar até Cúcuta, Colômbia, em abril de 2019 © ACNUR / Vincent Tremeau

A dramática fuga de milhões de venezuelanos resultou em uma das mais graves crises de deslocamento do mundo e a maior da história recente da região. Quase 80% dos aproximadamente 4,5 milhões de venezuelanos que deixaram seu país permanecem na América Latina ou no Caribe.

Pedindo ações urgentes e concretas para refugiados e migrantes venezuelanos, a União Europeia, juntamente com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional para as Migrações (OIM), estão organizando uma Conferência Internacional de Solidariedade de alto nível nos dias 28 e 29 outubro em Bruxelas.

A conferência será organizada por Federica Mogherini, Alta Representante e Vice-Presidente da Comissão Europeia, pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, Filippo Grandi, pelo Diretor Geral da OIM, António Vitorino, e pelo Representante Especial Conjunto do ACNUR e OIM para refugiados e migrantes venezuelanos, Eduardo Stein.

Os países da região continuam a mostrar solidariedade aos venezuelanos, garantindo que as pessoas possam circular livremente, acessar serviços sociais e integrar-se às economias e comunidades locais, mas a capacidade e os recursos das autoridades nacionais e das comunidades anfitriãs estão chegando a um ponto crítico. É necessário mais apoio internacional para os refugiados e migrantes venezuelanos.

“A União Europeia e seus parceiros estão renovando seu compromisso com o povo venezuelano. Quando 4,5 milhões de pessoas estão em movimento, ações são necessárias, e continuaremos atuando”, disse a Alta Representante e Vice-Presidente Federica Mogherini. “Este é o momento para pedir à comunidade internacional um apoio ainda maior para os refugiados venezuelanos, migrantes e comunidades que os acolhem. Queremos aumentar a conscientização sobre a gravidade dessa crise, queremos confirmar e aumentar o apoio internacional a uma resposta regional e coordenada. A UE já é o principal doador e principal participante político, fornecendo mais de €170 milhões desde 2018 em apoio ao povo venezuelano.”

“Os países e comunidades da América Latina e do Caribe que receberam milhões de venezuelanos merecem e precisam do nosso apoio”, disse o diretor geral da OIM, António Vitorino. “A comunidade internacional, incluindo doadores, agências de cooperação e o setor privado, precisam dobrar a ajuda para garantir que ela chegue aos mais vulneráveis ​​e aos que os apoiam”.

Ministros e altos funcionários da América Latina e do Caribe e Estados Membros da União Europeia participarão juntamente com agências da ONU, agências de cooperação internacional, ONGs, empresas do setor privado, organizações da sociedade civil e atores de desenvolvimento, incluindo instituições financeiras internacionais.

“Esta conferência é uma oportunidade única de reunir todos os atores envolvidos na resposta”, disse Filippo Grandi, Alto Comissário da ONU para Refugiados. “Juntos, estamos enviando uma forte mensagem aos refugiados e migrantes venezuelanos e aos seus generosos anfitriões  na América Latina e no Caribe, de que o mundo não os esqueceu e de que os apoiaremos em seu momento de necessidade.”

A Conferência Internacional de Solidariedade – que reúne atores humanitários e de desenvolvimento, o setor privado, a sociedade civil, as instituições financeiras internacionais, bem como os governos anfitriões e doadores – visa aumentar a conscientização sobre a crise, reafirmar os compromissos globais com os países e as comunidades, avaliar melhores práticas e realizações,  confirmar o apoio internacional a uma resposta regional coordenada e exigir maior cooperação técnica e financeira internacional com a região.