COVID-19: brasileiros e venezuelanos se unem para construir hospital temporário em Boa Vista

Operários trabalham juntos para beneficiar as populações mais vulneráveis à pandemia do novo coronavírus

Abrigado em Boa Vista, o venezuelano Diego faz parte da equipe de construção da Área de Proteção e Cuidados (APC) da Operação Acolhida, que atenderá casos suspeitos e confirmados da COVID-19 ©ACNUR / Allana Ferreira

Num canteiro de obras localizado próximo à sede da Polícia Federal em Boa Vista, os dias começam e terminam numa sinfonia de martelos, furadeiras e serrotes. As ferramentas são manuseadas por trabalhadores que falam idiomas diferentes, mas que se dedicam conjuntamente à urgente missão de finalizar um hospital temporário para o acompanhamento e tratamento contra o novo coronavírus, chamado de Área de Proteção e Cuidados (APC).

Em meio ao corre-corre da obra, trabalhadores venezuelanos revelam sua satisfação em ajudar seus conterrâneos e os brasileiros que os acolhem, pois a APC atenderá refugiados e migrantes venezuelanos que estão em Roraima – inclusive os trabalhadores da obra e seus familiares – e brasileiros mais vulneráveis de comunidades locais em diferentes regiões do Estado.

Entre estes trabalhadores está o venezuelano Diego, de 33 anos, que veio par ao Brasil em busca de refúgio e vive desde o ano passado em um dos abrigos da Operação Acolhida (resposta governamental ao fluxo de pessoas refugiadas e migrantes venezuelanas no Brasil, apoiada pela Agência da ONU para Refugiados, organizações parceiras e outras agências da ONU).

“Me sinto orgulhoso de estar ajudando no combate ao novo coronavírus. Esse lugar pode salvar a vida dos meus amigos venezuelanos e dos brasileiros que nos acolhem em Roraima”, diz Diego.

Construído pela Força Tarefa Logística e Humanitária da Operação Acolhida, a APC terá capacidade de cerca de 1,2 mil leitos hospitalares para o tratamento de pessoas infectadas e outras mil vagas para observação de casos suspeitos.

Neste momento, a obra é também uma oportunidade de geração de renda para os trabalhadores venezuelanos, quando tantas incertezas econômicas são geradas pela pandemia da COVID-19.

“Aqui no Brasil sei onde podemos ser cuidados. Mas tenho medo pelas pessoas que seguem na Venezuela, temo pelos meus filhos que estão lá”, lembra Diego, que sempre envia dinheiro para os quatro filhos que ficaram no país – e tem na construção da APC sua principal fonte de renda.

Trabalhadores venezuelanos e brasileiros que atuam com a Operação Acolhida e agências da ONU para concluir a APC de Boa Vista

Trabalhadores venezuelanos e brasileiros que atuam com a Operação Acolhida e agências da ONU para concluir a APC de Boa Vista ©ACNUR / Allana Ferreira

Diego está entre os 25 trabalhadores venezuelanos que se uniram aos esforços da Operação Acolhida para construir a APC. Muitos deles são gerenciados pelo empresário brasileiro Samuel Pereira da Silva, de 59 anos, que veio do Rio de Janeiro para se estabelecer em Roraima. Outros 24 trabalhadores brasileiros completam o time de operários.

“Sentir o agradecimento desses homens que têm famílias e estão fazendo de tudo para prover o melhor para quem está aqui, brasileiros e venezuelanos, e para quem ficou na Venezuela é o que motiva a continuar”, releva o empresário, que emprega 13 dos venezuelanos envolvidos na construção da APC – todos com carteira de trabalho assinada.

Além da sua equipe fixa, o empresário convoca diariamente outros oito venezuelanos que vivem em algum dos 11 abrigos temporários para refugiados e migrantes da Operação Acolhida em Boa Vista para fazer parte do time, recebendo “diárias”.

“Esta é uma demonstração clara de que refugiados e migrantes venezuelanos podem se juntar a moradores locais para promover a convivência pacífica entre comunidades e somar esforços em prol de soluções para todas e todos, afirma Arturo de Nieves, coordenador das ações de campo do ACNUR nos Estados de Roraima e Amazonas. Ele lembra que a APC também atenderá a população brasileira, “reforçando a resposta nacional para garantir o acesso a saúde a todos”.

O sentimento misto entre a gratidão por estarem protegidos no Brasil e a apreensão com os parentes que ficaram em seu país de origem é comum entre os venezuelanos que trabalham incansavelmente para montar pisos e tetos das estrutura que receberá casos suspeitos e confirmados da COVID-19 identificados junto à população refugiada e migrante em Roraima.

O venezuelano Yoslay, seu pai Jose Antonio e seu irmão Jackon, trabalhando juntos nas obras da APC: fonte de renda que garantiu a reunião da família em Boa Vista

O venezuelano Yoslay, seu pai Jose Antonio e seu irmão Jackon, trabalhando juntos nas obras da APC: fonte de renda que garantiu a reunião da família em Boa Vista ©ACNUR / Allana Ferreira

É o caso da família de Yoslay Jose, de 21 anos. Ele, o irmão Jackon Jose, 33, e o pai Jose Antonio, 59, trabalham há alguns meses no ramo da construção civil. E, com a empreitada atual, encontraram a oportunidade de trazer a mãe e irmã de Yoslay da Venezuela, bem como a esposa e filhos do Jackon.

“Viemos nós três primeiro para tentar conseguir algo e depois trazer minha mãe, irmã e cunhada. Estamos bem felizes com a oportunidade que tivemos”, diz Yoslay, que ainda tem familiares na Venezuela.

Sobre a oportunidade de trabalhar na construção da APC, Yoslay confirma a importância de participar deste esforço. “Sinto que estamos ajudando as pessoas, tanto venezuelanas quanto brasileiras, que poderão estar em uma situação de saúde complicada por causa do novo coronavírus. Sou muito grato pela oportunidade de construir algo que irá ajudar. É como se estivéssemos retribuindo o que recebemos aqui no Brasil”, diz Yoslay.

Para o empresário Samuel, que adota medidas de segurança para proteger sua equipe do novo coronavírus, os ganhos financeiros não são determinantes para superar essa crise. “Ver essas histórias me motivam a continuar aqui”, diz ele, que ensina técnicas da construção civil ao seu time, provendo capacitação e experiência profissional. “Se podemos ajudar, por que não fazê-lo?”, questiona.

Estamos diante de um desafio sem igual e temos MUITO trabalho pela frente. Doe AGORA para apoiar os nossos esforços na luta contra a COVID-19!