OMS e ACNUR unem forças para melhorar os serviços de saúde para refugiados, deslocados e apátridas

Funcionária do ACNUR distribui kits de doação em Manaus © ACNUR / Sebastian Roa

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) assinaram hoje um novo acordo para fortalecer e impulsionar os serviços públicos de saúde para milhões de pessoas deslocadas à força em todo o mundo.

O acordo atualiza e expande um contrato existente de 1997 entre as duas organizações. Um dos principais objetivos deste ano será apoiar os esforços em andamento para proteger da COVID-19 as aproximadamente 70 milhões de pessoas deslocadas à força. Cerca de 26 milhões delas são refugiadas, 80% das quais estão abrigadas em países de baixa e média renda com sistemas de saúde enfraquecidos. Outros 40 milhões de pessoas deslocadas dentro de seus países também precisam de assistência.

Por mais de 20 anos, o ACNUR e a OMS trabalham juntos em todo o mundo para proteger a saúde de algumas das populações mais vulneráveis ​​do planeta. Em colaboração, fornecem serviços de saúde a refugiados em todas as regiões – desde o início de uma emergência até situações prolongadas, defendendo consistentemente a inclusão de refugiados e apátridas nos planos nacionais de saúde pública dos países que os acolhem.

Hoje, as duas organizações estão trabalhando lado a lado para coibir a propagação da pandemia da COVID-19 e garantir que as pessoas deslocadas à força possam acessar os serviços de saúde de que precisam.

“A antiga parceria entre ACNUR e OMS é fundamental para conter a pandemia de coronavírus e outras emergências – dia após dia, estamos melhorando e salvando vidas de milhões de pessoas forçadas a deixar suas casas”, disse o Alto Comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi. “Nossa parceria reforçada beneficiará diretamente refugiados, solicitantes de refúgio, pessoas deslocadas internamente e apátridas. Isso leva a uma melhor resposta de emergência e fará o melhor uso dos recursos de nossas duas organizações para soluções de saúde pública em todas as nossas operações ao redor do mundo.”

“O princípio da solidariedade e o objetivo de servir as pessoas vulneráveis ​​sustentam o trabalho das duas organizações”, disse o Dr. Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor Geral da OMS. “Permanecemos lado a lado em nosso compromisso de proteger a saúde de todas as pessoas que foram forçadas a deixar suas casas e garantir que elas possam obter serviços de saúde quando e onde precisarem. A pandemia em andamento apenas destaca a importância vital de trabalharmos juntos para que possamos alcançar mais.”

Na ocasião da renovação do contrato, o ACNUR também se juntou ao Fundo de Resposta Solidária contra a COVID-19. O Fundo foi lançado em 13 de março e, até o momento, levantou $ 214 milhões de dólares até o momento. O Fundo, que é o primeiro do gênero, permite que indivíduos, empresas e organizações em todo o mundo contribuam diretamente para a resposta global liderada pela OMS para ajudar os países a prevenir, detectar e responder à COVID-19.

Uma contribuição de 10 milhões de dólares do Fundo de Resposta Solidária irá apoiar o trabalho do ACNUR para atender as necessidades urgentes, como comunicação de risco e engajamento comunitário sobre práticas de higiene; fornecimento de kits de higiene e suprimentos médicos, além do estabelecimento de unidades de isolamento em países como Jordânia, Quênia, Líbano, Sudão do Sul e Uganda. Os fundos também apoiarão atividades globais inovadoras de preparação.

“Ao unir forças com o Fundo de Solidário, o ACNUR pode trabalhar em conjunto com a OMS para garantir que as medidas de preparação, prevenção e resposta à saúde pública em proteção à COVID-19 estejam em vigor e que a ajuda extremamente necessária possa chegar aos refugiados, deslocados e às pessoas e comunidades que os acolhem”, disse Grandi.