Ação da Cidadania e ACNUR doam alimentos para venezuelanos em situação de vulnerabilidade no Brasil

Cerca de 5.000 cestas de alimentos serão distribuídas a refugiados e migrantes venezuelanos que vivem no norte do Brasil. Ação é fruto de parceria inédita entre as organizações

Maria das Dores (Coordenadora da ONG Anjos de Luz) , Arturo de Nieves (Chefe do escritório do ACNUR de Boa Vista) e Cida Cardoso (Coordenadora Ação da Cidadania) celebram entrega de 1.175 cestas básicas em Boa Vista Roraima ©ACNUR/Lucas Novaes

Brasília, 17 de julho de 2020 – Numa parceria inédita, a ONG Ação da Cidadania e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) estão entregando cerca de 5.000 cestas de alimentos não perecíveis para refugiados e migrantes venezuelanos no norte do Brasil, a partir de Boa Vista e outras cidades do Estado de Roraima, que faz fronteira com o país vizinho.

As entregas se iniciaram na última quarta-feira e vão até o dia 22 de julho. Cada cesta é suficiente para alimentar uma família de até quatro pessoas durante 15 dias. Numa primeira fase, os alimentos chegarão até a fronteira com a Venezuela, em Pacaraima.

Entre as entidades e organizações beneficiadas estão o Centro de Migrações e Direitos Humanos da Diocese de Roraima (CMDH), a Associação Grupo de Mães Anjo de Luz, a Cáritas Diocesana de Manaus, Pastoral do Migrante de Pacaraima.

Todas as entidades são parcerias do ACNUR na resposta ao fluxo de refugiados e migrantes venezuelanos em Roraima. As populações atendidas por estas organizações estão fora dos abrigos da Operação Acolhida – resposta do governo federal a este fluxo, que é apoiado pelo ACNUR, por outras agências da ONU e por organizações da sociedade civil. Por estarem fora dos abrigos, estas pessoas não têm acesso aos serviços oferecidos nestas instalações – o que inclui três refeições diárias.

Para o diretor-executivo da Ação da Cidadania, Rodrigo “Kiko” Afonso, “o drama dos refugiados em Roraima, e em diversas outras regiões do país, só se agravou com a pandemia da COVID-19. São milhares de famílias que já vivem em situação extremamente vulnerável e que ainda têm que lidar com o preconceito e exploração devido à sua condição de refugiados, muitas vezes deixados à margem dos programas sociais e pela sociedade. O trabalho da Ação da Cidadania em parceria com o ACNUR para tentar minimizar o sofrimento dessas famílias e faz parte da nossa visão de que todos têm direito a um tratamento humano, em especial os mais vulneráveis, sejam eles de onde forem.”

De acordo com Jose Egas, Representante do ACNUR no Brasil, “o acesso à alimentação adequada é essencial para assegurar a proteção, segurança, saúde e bem-estar das pessoas que são forçadas a deixar seu país por causa de conflitos, perseguições e violações generalizadas de seus direitos humanos. Por meio desta parceria, o ACNUR poderá atender demandas alimentares de refugiados e migrantes venezuelanos iniciando pelo norte do país, fortalecendo assim a resposta que está sendo dada a esta população por meio da Operação Acolhida”.

Segundo dados do governo federal, cerca de 260 mil venezuelanos estão no Brasil – sendo que 130 mil cidadãos venezuelanos já solicitaram refúgio às autoridades brasileiras. O Governo brasileiro já reconheceu mais de 37 mil venezuelanos como refugiados. O Brasil possui uma população refugiada estimada em 50 mil pessoas, além de quase 300 mil solicitações de refúgio aguardando análise do governo federal via CONARE (Comitê Nacional para Refugiados).

Para mais informações, fale com:

  • Assessoria de Imprensa da Ação da Cidadania: George Patiño: (21) 9.8758-7282
  • Unidade de Informação Pública do ACNUR Brasil: Lucas Novaes: (11) 9.8299-6092