Minas terrestres e explosivos representam riscos mortais para os deslocados no Sahel e no Lago Chade

No incidente mais recente em um campo de refugiados no leste do Chade, em 24 de junho, quatro crianças refugiadas de 9 a 12 anos foram mortas e outras três gravemente feridas quando pegaram um dispositivo não explodido e tentaram abri-lo.

Refugiadas do Mali coletam itens de assistência emergencial no campo de Goudoubo, em Burkina Faso, em fevereiro de 2020. © UNHCR/Sylvain Cherkaoui

Genebra – A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), está pedindo mais esforços para mitigar os riscos enfrentados por refugiados e deslocados internos em relação a minas terrestres e dispositivos explosivos improvisados ​​nas regiões da bacia do Sahel e do Chade, em conflito na África. Desde o início de 2020, há um número crescente de incidentes fatais envolvendo populações deslocadas à força.

Minas, engenhos explosivos não detonados (UXO) e uso mais frequente de dispositivos explosivos improvisados ​​(IEDs) estão resultando em uma ameaça crescente para comunidades locais, refugiados e deslocados internos. Embora pareça que os alvos pretendidos dos diversos grupos armados antigovernamentais e não estatais sejam as forças de segurança, mais e mais civis são indiscriminadamente mortos e mutilados.

O Chade e a Nigéria estão no topo dos países mais afetados na bacia do lago Chade. No incidente mais recente em um campo de refugiados no leste do Chade, em 24 de junho, quatro crianças refugiadas de 9 a 12 anos foram mortas e outras três gravemente feridas quando pegaram um dispositivo não explodido e tentaram abri-lo.

Enquanto isso, no nordeste da Nigéria, cerca de 230 pessoas foram mortas por IEDs e mais de 300 ficaram feridas em 2019. Mais de 15 incidentes foram relatados até agora em 2020.

Nossas equipes no terreno também testemunham uma tendência crescente no Sahel. No Níger, cinco incidentes mataram pelo menos cinco refugiados e pessoas deslocadas, ferindo muitos outros desde o início do ano.

Por exemplo, em 21 de janeiro de 2020, dois adolescentes – um residente local e um amigo refugiado de Burkina Faso – pegaram um foguete não explodido. Pensando erroneamente que era um brinquedo, eles tentaram abri-lo com um machado. O dispositivo explodiu matando o adolescente residente e ferindo gravemente o refugiado.

Na região de Diffa, no Níger, duas vans atropelaram dispositivos explosivos perto da cidade de Bosso, em dois incidentes separados em fevereiro e março. As explosões mataram quatro pessoas, incluindo três estudantes do ensino médio e muitos outros feridos, incluindo um bebê de 10 meses de idade.

No Mali, a população civil representa quase metade das vítimas de minas terrestres e dispositivos de explosões improvisados em todo o país. Pelo menos 42 civis foram mortos em 82 incidentes entre janeiro e maio deste ano, principalmente nas regiões de Mopti, Gao e Kidal. As rotas que ligam Mopti, no centro do país, às regiões norte são particularmente afetadas e perigosas.

Em Burkina Faso, em 6 de junho, um veículo que transportava dois refugiados atingiu um IED perto do campo de refugiados de Mentao. Ambos foram evacuados para Djibo, onde receberam tratamento.

A região do Sahel está enfrentando uma das crises de deslocamento que mais crescem no mundo, onde milhões de pessoas fugiram de ataques indiscriminados de grupos armados contra civis, como execuções sumárias, uso generalizado de estupro contra mulheres e ataques contra instituições estatais, incluindo escolas e instalações de saúde.

Além do alto número de mortos, feridos e seus efeitos colaterais, incluindo danos psicológicos, a presença de dispositivos explosivos dificulta o acesso a meios de subsistência locais, como pastagens, campos, fazendas, lenha e infraestrutura da comunidade. Eles também afetam a entrega de ajuda humanitária e atividades de desenvolvimento.

O ACNUR continua apoiando os feridos e as famílias das vítimas. Também ajudamos nos funerais e oferecemos sessões de apoio psicossocial aos sobreviventes – inclusive às crianças. Também estamos colaborando com os líderes comunitários para aumentar a conscientização sobre os riscos causados ​​por material bélico não explodido.

São necessários esforços urgentes para abordar os perigos e o legado das minas terrestres e aumentar a conscientização sobre a horrível ameaça das minas, restos de explosivos de guerra e dispositivos explosivos improvisados. É necessário que governos, organizações humanitárias e envolvidos nos conflitos ampliem o trabalho de ação contra as minas, pois os civis pagam um preço alto.

As minas também representam um risco adicional para refugiados e deslocados internos que fogem da violência e perseguição e dificultam o direito de retornar a suas casas. Vemos minas e artefatos não detonados como obstáculos críticos a retornos seguros e dignos, apresentando perigos letais para os refugiados que retornam e as pessoas deslocadas por anos após o término do conflito.

O ACNUR destaca a importância de uma assistência ampla e abrangente a todas as vítimas, em conformidade com a Política das Nações Unidas sobre Assistência às Vítimas de Minas. A Política das Nações Unidas recomenda que a assistência às vítimas de minas terrestres inclua coleta de dados, atendimento médico, reabilitação física e outras, incluindo atendimento psicossocial.

Para apoiar nosso trabalho no Sahel e em outras regiões para proteger deslocados do coronavírus e outros perigos, faça uma doação agora!

DOAR AGORA