Beirute: Morte por explosão inclui dezenas de refugiados; resposta de emergência é intensificada

Este é um resumo do que foi dito pelo porta-voz do ACNUR Babar Baloch – a quem o texto citado pode ser atribuído – na coletiva de imprensa de hoje no Palácio das Nações em Genebra

Porto de Beirute em ruínas, devastado após explosão em 4 de agosto © ACNUR / Houssam Hariri

Genebra, 11 de agosto de 2020 – A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) relata com tristeza que entre os mais de 200 mortos na explosão mortal e destrutiva que abalou Beirute em 4 de agosto há pelo menos 34 vítimas que são refugiados.

Nossas equipes no terreno ainda estão verificando os relatórios e tememos que o número de mortos entre a população de refugiados de Beirute de cerca de 200 mil pessoas possa aumentar ainda mais. Sete refugiados ainda estão desaparecidos. Outros 124 refugiados ficaram feridos na explosão, 20 deles com ferimentos graves.

Continuamos trabalhando com as equipes de resgate e outros parceiros humanitários para identificar as vítimas e estendendo o apoio às famílias que perderam seus entes queridos. Isso inclui aconselhamento, auxílio financeiro de emergência e ajuda nos preparativos para o enterro.

Essa explosão afetou a todos, independentemente de nacionalidade ou status. Nossa resposta humanitária imediata à trágica explosão cobre toda a comunidade – incluindo libaneses, refugiados e trabalhadores migrantes. A ajuda se concentra nos mais vulneráveis da comunidade e em duas áreas principais – abrigo e proteção.

Como parte do apelo humanitário interagencial, o ACNUR está mobilizando $12 milhões de dólares para sua resposta de emergência às famílias mais afetadas e vulneráveis em Beirute. Este pacote inclui $9,6 milhões de dólares para intervenções em abrigos e $2,44 milhões de dólares para atividades de proteção para os próximos três meses.

Junto com outros parceiros humanitários, estamos trabalhando em estreita colaboração com o povo de Beirute e os departamentos relevantes para avaliar os danos e identificar as melhores e mais significativas maneiras de ajudar. O estoque de ajuda do ACNUR no país não foi afetado e inclui kits de abrigo, cobertores, lonas de plástico, colchões, salas de cuidados e vários outros itens essenciais que foram disponibilizados para a Cruz Vermelha Libanesa e outros parceiros no local.

Uma avaliação inicial porta a porta está em andamento nos bairros mais afetados e as distribuições individuais de ajuda às pessoas identificadas começaram já no domingo, 9 de agosto. As primeiras estimativas indicam que até 10 mil famílias vulneráveis provavelmente foram gravemente afetadas pela explosão e precisam de apoio urgente.

Nossa prioridade é identificar e obter ajuda para aqueles que precisam de ‘proteção contra intempéries de emergência’. Isso ajudará a proteger as entradas e janelas e fornecer algum nível de proteção contra os elementos, segurança e proteção, e restaurar a privacidade e a dignidade das pessoas. As pessoas afetadas deslocadas para fora da área de Beirute também irão receber assistência.

Assistência emergencial em dinheiro continua sendo a opção mais eficaz para fornecer alívio imediato e apoiar as necessidades rápidas de reparo e reconstrução. Também ajudará na obtenção de alimentos e na cobertura das necessidades básicas e despesas de saúde. No médio prazo, pequenos reparos, reabilitação e melhorias na ‘área comum’ ocorrerão.

Enquanto isso, nossos esforços de proteção se baseiam no engajamento e mobilização da comunidade existente, incluindo encaminhamentos, primeiros socorros psicológicos, mensagens comunitárias e apoio a iniciativas de solidariedade comunitária. As pessoas estão realmente na vanguarda da resposta e apoiaremos seus esforços diretamente.

Iremos expandir ainda mais nosso trabalho com a sociedade civil para identificar novas estruturas e iniciativas comunitárias, melhorar a comunicação, ajudar na identificação de famílias ou indivíduos vulneráveis, possibilitar encaminhamentos e respostas. Saúde Mental e Apoio Psicológico e Primeiros Socorros Psicológicos (PFA) são áreas críticas de nossas intervenções na resposta de emergência atual, pois muitos sofreram traumas e perda de entes queridos.

Grupos comunitários administrados pelo ACNUR, voluntários de extensão e parceiros já são treinados em PFA e serão reforçados para fornecer apoio psicológico e conectar  pessoas afetadas às redes comunitárias. Em tempos difíceis de dificuldades econômicas e da pandemia de COVID-19, o ACNUR enfatiza a necessidade de apoio internacional constante e oportuno para as pessoas de Beirute e do Líbano que são anfitriões generosos de refugiados há muitos anos.

Para mais informações sobre este assunto: