Relatório do ACNUR: Coronavírus é ameaça terrível à educação de refugiados; metade das crianças refugiadas do mundo está fora da escola

No Irã, irmãs refugiadas afegãs frequentam a escola pela primeira vez. © ACNUR / Mohammad Hossein Dehghanian

Genebra, 3 de setembro de 2020 – Se a comunidade internacional não tomar medidas imediatas e ousadas para combater os efeitos catastróficos da COVID-19 na educação de pessoas refugiadas, o potencial de milhões de jovens refugiados que vivem em algumas das comunidades mais vulneráveis ​​do mundo ficará ainda mais ameaçado.

O alerta é feito pela Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), que divulgou hoje o relatório “Unindo Forças pela Educação de Pessoas Refugiadas” (disponível aqui, em inglês) cujos dados têm como base números brutos de matrículas do ciclo escolar de 2019.

Embora a COVID-19 tenha impactado a educação de crianças em todos os países, o relatório revela que crianças refugiadas têm sido particularmente desfavorecidas. Antes da pandemia, uma criança refugiada tinha duas vezes mais chances de estar fora da escola do que uma criança não refugiada.

E a situação tende a piorar: muitas podem não ter oportunidades de retomar os estudos devido ao fechamento de escolas, dificuldades para pagar mensalidades, uniformes ou livros, falta de acesso a tecnologias ou porque são obrigadas a trabalhar para sustentar suas famílias.

“Metade das crianças refugiadas do mundo já estava fora da escola”, afirmou Filippo Grandi, Alto Comissário da ONU para Refugiados. “Depois de tudo o que passaram, não podemos roubar seu futuro negando-lhes educação. Apesar dos enormes desafios impostos pela pandemia, com maior apoio internacional aos refugiados e às comunidades que os acolhem, podemos criar formas inovadoras para proteger os avanços essenciais alcançados na educação de refugiados nos últimos anos”, completou o Alto Comissário.

Sem um apoio maior e efetivo, avanços alcançados a muito custo para aumentar as taxas de matrículas em escolas, universidades e educação técnica-profissional poderão ser revertidos e, em alguns casos, permanentemente. Isso potencialmente prejudicará os esforços para atingir a Meta de Desenvolvimento Sustentável 4, que visa garantir educação de qualidade inclusiva e equitativa para todas e todos.

No epílogo do relatório, Mohamed Salah, Embaixador do ACNUR para o Programa Instant Network Schools feito em parceria com a Fundação Vodafone, afirmou: “Garantir uma educação de qualidade hoje significa menos pobreza e sofrimento amanhã. A menos que todos façam sua parte, gerações de crianças – milhões delas em algumas das regiões mais pobres do mundo – enfrentarão um futuro sombrio. Mas se trabalharmos como equipe, poderemos dar a elas a chance que merecem de ter um futuro digno. Não vamos perder esta oportunidade.”

Os dados do relatório são de 2019 e têm como base informes de doze países que acolhem mais da metade das crianças refugiadas do mundo. Enquanto na escola primária (equivalente no Brasil ao ensino fundamental) a taxa de matrícula de crianças refugiadas é de 77%, apenas 31% dos jovens nesta população estão matriculados na escola secundária (equivalente ao ensino médio no Brasil). No ensino superior, apenas 3% dos jovens refugiados estão matriculados.

Muito atrás das médias globais, estas estatísticas, no entanto, representam um progresso. As matrículas no ensino secundário aumentaram 2% apenas em 2019, com um acréscimo de dezenas de milhares de novas crianças refugiadas frequentando a escola. No entanto, a pandemia de COVID-19 agora ameaça desfazer este e outros avanços cruciais. Para as meninas refugiadas, a ameaça é particularmente grave.

Meninas refugiadas já têm menos acesso à educação do que os meninos e ainda têm metade da probabilidade de se matricular na escola quando chegam ao nível secundário. Com base nos dados do ACNUR, o Fundo Malala estimou que, como resultado da COVID-19, metade de todas as meninas refugiadas na escola secundária não retornará quando as salas de aula forem reabertas neste mês¹. Para os países onde a taxa bruta de matrícula de meninas refugiadas já era inferior a 10%, todas as meninas correm o risco de abandonar os estudos para sempre, uma previsão assustadora com impacto nas gerações futuras.

“Estou especialmente preocupado com o impacto sobre as meninas refugiadas. Educação não é apenas um direito humano fundamental, mas a proteção e os benefícios econômicos para as meninas refugiadas, suas famílias e comunidades são claros. A comunidade internacional simplesmente não pode deixar de oferecer a elas as oportunidades que vêm por meio da educação”, disse Grandi.

Adaptar-se às limitações impostas pela COVID-19 tem sido especialmente difícil para 85% dos refugiados do mundo que vivem em países em desenvolvimento ou menos desenvolvidos. Telefones celulares, tablets, laptops, conectividade e até aparelhos de rádio muitas vezes não estão disponíveis para as comunidades que foram forçadas a se deslocar.

O ACNUR, governos e parceiros estão trabalhando incansavelmente para preencher as lacunas críticas e garantir a continuidade da educação de refugiados durante a pandemia por meio de aprendizagem conectada, televisão e rádio, e apoiando professores e cuidadores a se envolverem com os alunos, observando as diretrizes de saúde.

O relatório também mostra como famílias, comunidades e governos estão trabalhando para fornecer educação às crianças refugiadas. Também revela exemplos positivos de governos que transformaram em lei o direito das crianças refugiadas a frequentar escolas públicas, com histórias do Equador e do Irã. Exemplos de inovação digital são destacados pelo Ministro da Educação do Egito e por uma família na Jordânia que se beneficia da transição para o aprendizado online. Com mais da metade dos refugiados do mundo vivendo em ambientes urbanos, a importância das cidades que acolhem refugiados é enfatizada, com prefeito de Coventry (no Reino Unido) compartilhando como a cidade administra o tema e por que faz sentido seguir este caminho de inclusão.

O relatório insta governos, setor privado, sociedade civil e outras partes interessadas a unir forças para encontrar soluções que fortaleçam os sistemas nacionais de educação e se conectem com os caminhos para a educação formal e certificada, e para garantir e salvaguardar financiamento para a educação. Sem essa ação, o relatório alerta, corremos o risco de perder uma geração de crianças refugiadas privadas de educação.

Os riscos para a educação de refugiados não param com a COVID-19. Os ataques a escolas são uma realidade sombria e crescente. O relatório foca a região do Sahel, na África, onde a violência forçou o fechamento de mais de 2,5 mil escolas, afetando a educação de 350 mil alunos.

FIM

NOTA PARA EDITORAS E EDITORES

Sobre o relatório

O relatório “Unindo Forças pela Educação de Pessoas Refugiadas” (aqui, a versão em inglês –  Coming Together for Refugee Education) é o quinto relatório anual do ACNUR sobre educação. O primeiro, intitulado ‘Missing Out’, foi divulgado em setembro 2016 às vésperas da Cúpula da Assembleia Geral da ONU para Refugiados e Migrantes. O documento fez um apelo aos doadores para um financiamento multianual e confirmado para a educação de refugiados. O segundo (Left Behind) foi divulgado em 2017, com um chamado para que a educação fosse considerada um tema fundamental na resposta às emergências de refugiados. O terceiro (com o título Turn the Tide) foi lançado em 2018 e ressaltou que quatro milhões de crianças refugiadas não frequentavam a escola. O quarto relatório (‘Stepping Up: Refugee Education in Crisis) revelou uma grande evasão na educação secundária e terciária.

O relatório deste ano inclui um prefácio do Alto Comissário da ONU para Refugiados, Filippo Grandi, e palavras finais do jogador de futebol Mohamed Salah, que este ano se tornou o primeiro embaixador da iniciativa Instant Network Schools, estabelecida em 2013 pela Fundação Vodafone e o ACNUR para conectar refugiados e estudantes dos países de acolhida em torno de uma educação digital de qualidade.

Sobre o ACNUR

O ACNUR (Agência da ONU para Refugiados) lidera a ação internacional para proteger pessoas forçadas a deixar suas casas por causa de conflitos e perseguições. Nós entregamos assistência vital, como abrigamento, alimentação e água, ajudamos a resguardar direitos humanos fundamentais e a desenvolver soluções que assegurem a essas pessoas um lugar seguro que possa ser chamado de casa, onde podem construir um futuro melhor. Também trabalhamos para assegurar que pessoas apátridas tenham uma nacionalidade.

 

Contatos de mídia:

Brasil:

Luiz Fernando Godinho, Oficial de Informação Pública, [email protected], +55 61 98187-0978
Miguel Pachioni, Associado de Informação Pública, [email protected], +55 11 94985-1734
Victoria Hugueney, Assistente Snr de Informação Pública, [email protected], +55 61 98416-3044

 

Especialistas técnicos em educação:

Becky Telford, Chefe de Educação do ACNUR, [email protected], +45 45 33 63 35

Mamadou Dian Balde, Diretor Adjunto da Divisão de Resiliência e Soluções, [email protected], +41 22 739 8795

Jennifer Roberts, Oficial Sênior de Educação do ACNUR, [email protected], +45 45 33 65 22

Benoit d’Ansembourg, Oficial Sênior de Educação do ACNUR, [email protected], +45 45 33 64 07

 

Contatos de imprensa globais:

Barnaby Thompson: [email protected], +447719553786

Boris Cheshirkov: [email protected], +41 79 433 7682

Charlie Yaxley: [email protected], +41 795 808 702

Outros contatos de imprensa:

Amã: Rula Amin, [email protected], +962 790 04 58 49
Amã: Andreas Kirchhof, [email protected], +962 791 825 473
Amã: Lilly Carlisle, [email protected], +962 65 30 27 73
Atenas: Stella Nanou, [email protected], +30 694 458 6037
Bagdá: Firas Al-Khateeb, [email protected], +964 780 918 9700
Bangkok: Catherine Stubberfield, [email protected], +66 65 929 8062
Beirute: Lisa Abou Khaled, [email protected], +961 71 880 070
Berlim: Chris Melzer, [email protected], +49 151 706 660 13
Bruxelas: Frederik Bordon, [email protected], +32 2 6275932
Budapeste: Zoran Stevanovic, [email protected], +36 01 336 3079
Copenhagen: Elisabeth Arnsdorf Haslund, [email protected], +45 21 42 55 64
Cox’s Bazar: Louise Donovan, [email protected], +880 18 4732 7279
Dakar: Romain Desclous, [email protected], +221 77 786 396 385
Damasco: Mysa Khalaf, [email protected], +963 9933 57 860
Cartum: Roland Schoenbauer, [email protected], +249 912 179 387
Kinshasa: Johannes van Gemund, [email protected], +243 817 009 484
Londres: Matthew Saltmarsh, [email protected], +44 7880 230 985
Madrid: Rosa Otero, [email protected], +34 673 469 103
Cidade do México: Sibylla Brodzinsky, [email protected],+52 55 8048 5054
Nairobi: Dana Hughes, [email protected], +254 733 440 536
Nairobi: Tina Ghelli, [email protected], +254 791 965 992
Nova York: Deanna Bitetti, [email protected], +1 646 515 4141
Nova York: Kathryn Mahoney, [email protected], +1 347 443 7646
Ottawa: Emmanuelle Paciullo, [email protected], +15147724435
Cidade do Panamá: William Spindler, [email protected], +507 638 27815
Cidade do Panamá: Olga Sarrado, [email protected], +57 310 2026029
Paris: Céline Schmitt, [email protected], +33 6 23 16 11 78
Pretória: Pumla Rulashe, [email protected], +27 82 377 5665
Roma: Carlotta Sami, [email protected], +39 335 679 47 46
Sana’a: Heba Kanso, [email protected], +967712225123
Estocolmo: Mattias Sundholm, [email protected], +46 73 587 97 33
Tunis: Caroline Gluck, [email protected], +216 29 925 506
Washington: Andrea Mucino-Sanchez, [email protected], +1 202 751 9000

 

*Mohamed Salah não está disponível para entrevistas. Questões sobre seu texto no relatório e seu envolvimento com o projeto Network Schools devem ser encaminhadas para Colin Kampschoer, em Londres: [email protected], +44 7395 798527

Um pacote multimídia completo, o relatório na íntegra e outros contatos de mídia do ACNUR estão disponíveis media page da organização.

¹Referência ao início do ano escolar no Hemisfério Norte.