Refugiados sírios ajudam a arrecadar fundos para vítimas da explosão em Beirute

Em gesto de solidariedade, refugiados gravam vídeos em apoio à campanha de arrecadação de fundos do ACNUR

O refugiado sírio Shadi Shhadeh, que vive na Suíça, ajudou a arrecadar fundos para as pessoas afetadas pela explosão em Beirute. © ACNUR/Susan Hopper

Quando Shadi Shhadeh viu vídeos em seu celular de uma explosão devastadora em Beirute em 4 de agosto, ele sentiu uma onda de empatia.


“Fiquei chocado. É uma cidade que eu conheço. Eu andei pelas suas ruas ”, disse Shadi, que fugiu como refugiado da Síria e morava em Beirute antes de ir para a Suíça em 2013.

Refugiados em Beirute, que abriga 200.000 pessoas deslocadas por guerras e conflitos, imediatamente se juntaram aos residentes locais no resgate e limpeza da cidade que lhes deu boas-vindas e segurança. Agora, refugiados sírios na diáspora mais ampla também estão se preparando para ajudar.

Shadi agiu rapidamente com base em seus sentimentos, pedindo a amigos que também são refugiados para gravarem mensagens em vídeos em apoio à arrecadação de fundos pelo ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, para ajudar as pessoas afetadas pela explosão. A explosaoue matou pelo menos 180, feriu mais de 6.500 e danificou ou destruiu cerca de 200.000 casas.

Ao fazer isso, em sua concepção, ele virou ao avesso um estereótipo sobre refugiados. Muitas pessoas veem os refugiados como pessoas que precisam de ajuda. Shadi mostra que eles também podem ser humanitários, cujo instinto é estender a mão e ajudar os outros.

“Como refugiados, sabemos o que é estar sem casa.”

Shadi estava particularmente preocupado com as pessoas que ficaram desabrigadas pela explosão.

“Como refugiados, sabemos o que é ficar sem casa”, disse ele.

Um amigo, Firas, um refugiado sírio que viveu na França nos últimos dois anos, disse em sua mensagem de vídeo que sentiu a “agonia e angústia” dos residentes de Beirute e encorajou outros a fazerem doações ao ACNUR junto com ele.

O alto comissário do ACNUR, Filippo Grandi, fala com o refugiado sírio Makhoul Al Hamad, 43, e sua filha Sana, 14, após a explosão em Beirute. © ACNUR/Sam Tarling

A equipe da Intersos descarrega itens de socorro para consertar casas danificadas no bairro de Achrafieh, em Beirute. © ACNUR/Haidar Darwish

Um homem carrega uma criança ferida para um local seguro após uma grande explosão no porto de Beirute, no Líbano. © Ritzau Scanpix

Voluntários removem entulho no distrito de Gemmayze, gravemente afetado, em Beirute. © ACNUR/Haidar Darwish

 

O ACNUR está ampliando sua resposta a todas as comunidades afetadas pela explosão para fornecer socorro imediato, abrigo e apoio de proteção. Na semana passada, o alto comissário Filippo Grandi visitou a cidade.

O ACNUR e seus parceiros estão fornecendo materiais de abrigo de emergência para os mais necessitados entre cerca de 200.000 famílias e realizando primeiros socorros psicológicos e outras medidas urgentes para os afetados.

“Podemos dizer aos refugiados que eles não estão sozinhos”.

A arrecadação de fundos também envia uma mensagem de solidariedade.

“É também uma mensagem para todos os afetados de que você não está sozinho. Sua dor é a nossa dor … Nós (refugiados) conhecemos essas crises e hoje estamos com vocês ”, disse. De maneira modesta, ele disse que seus amigos que haviam participado eram os verdadeiros heróis do esforço, e não ele mesmo.

Shadi fugiu de Damasco em 2011. Desde então, ele morou na Jordânia, Egito e Turquia, bem como em Beirute. Recentemente, ele se formou em literatura francesa, trabalha para uma organização de assistência médica e deseja, eventualmente, trabalhar com refugiados.

“Sim, sou um refugiado. Antes eu precisava de apoio. Hoje posso apoiar outra pessoa ”, disse ele.


Há 50 anos ACNUR atua no Líbano para proteger refugiados e comunidades que os acolhem. O Líbano é a nação que abriga a maior população de refugiados per capita do mundo.

Faça uma DOAÇÃO AGORA para apoiar os nossos esforços. Você pode salvar vidas!

DOAR AGORA