Incêndio em campo de refugiados em Bangladesh deixa 45 mil rohingya desabrigados

Autoridades do país, agências humanitárias e voluntários estão correndo contra o tempo para entregar ajuda a todos afetados pelo fogo. Até agora, 15 refugiados perderam suas vidas e 400 estão desaparecidos

Um incêndio é visto em um campo de refugiados Balukhali em Cox's Bazar, Bangladesh, no dia 22 de março de 2021. © Cortesia da equipe direita de Rohingya/MD Arakani

Esse texto é um resumo do que foi dito por Johannes van der Klaauw, Representante do ACNUR em Dhaka, Bangladesh – a quem esse texto pode ser atribuido – durante conferência de imprensa hoje no Palácio das Nações, em Genebra.


O ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, está imensamente devastado pelas vidas perdidas e o imenso sofrimento causado pelo incêndio massivo que aconteceu em Kutupalong Balukali, o campo de refugiados em Cox’s Bazar. 

Baseado em relatórios provisórios, nesta manhã (terça-feira, 23 de março), foi confirmado que 15 refugiados perderam tragicamente suas vidas no incêndio. Mais de 560 pessoas foram feridas e estima-se que 400 pessoas ainda estejam desaparecidas. 

Em apoio à resposta contínua liderada pelas autoridades de Bangladesh, o ACNUR, em coordenação com a OIM e outros parceiros da ONU e ONG’s, bem como voluntários refugiados, está correndo contra o tempo para fornecer apoio crítico e proteção a cerca de 45 mil refugiados rohingya que perderam seus abrigos e pertences no incêndio. 

Estima-se que pelo menos 10 mil abrigos foram destruídos ou danificados, mas espera-se que os números subam nos próximos dias à medida em que sejam colhidas novas informações sobre os estragos. Refugiados que foram deslocados estão sendo alojados temporariamente dentro da comunidade do campo. 

Com um número desconhecido de refugiados que sofreram queimaduras, o ACNUR tem fornecido suprimentos médicos através do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) para apoiar os pacientes queimados. Kits de primeiros socorros, incluindo apoio psicossocial também está sendo providenciado. Voluntários de saúde da comunidade refugiada estão ajudando a encaminhar aqueles que necessitam de serviços críticos de apoio. 

Os refugiados rohingya permanecem no centro da resposta e têm sido mobilizados desde a noite passada, quando o fogo foi controlado. O ANCUR está se preparando para reemitir documentos de registro para aqueles que perderam os seus no incêndio. 

Até agora, o ACNUR providenciou 3 mil cobertores, 14.500 lâmpadas solares, 10.400 equipamentos de cozinha e 11.500 mosqueteiras. Junto com a Oxfam, também disponibilizou assistência emergencial de água e saneamento, incluindo a construção de 20 latrinas e torneiras de emergência, tanques de água, bidões e pastilhas de purificação de água. Quatro tanques de água estão fornecendo água potável para áreas onde os deslocados pelo fogo estão reunidos. 

Usando o sistema de Resposta Interativa de Voz do ACNUR, seremos capazes de chamar aproximadamente 70% dos residentes nos acampamentos mais afetados. As equipes do ACNUR estão monitorando a segurança e a proteção dos abrigos temporários para os deslocados e garantindo que a assistência atenda às necessidades críticas, inclusive para as crianças desacompanhadas e separadas.

Os acampamentos em Cox’s Bazar abrigam atualmente mais de 870.000 refugiados rohingya. A grande maioria, cerca de 720.000, chegou em 2017, fugindo da violência no estado de Rakhine, em Mianmar. 

O apelo do ACNUR 2021 para resposta aos rohingya, de US$ 294,5 milhões, por enquanto foi financiada em apenas em 16%. Os efeitos do incêndio letal e destrutivo de segunda-feira apenas intensificaram as necessidades críticas e a sobrecarga de recursos já sob pressão. O ACNUR está apelando para uma mobilização urgente de doadores do governo e do setor privado. Suas contribuições são críticas para a resposta humanitária em andamento e a capacidade do ACNUR de proteger e ajudar tanto os refugiados rohingya quanto seus anfitriões de Bangladesh. 

 

 Para mais informações sobre este tópico, favor entrar em contato: