ACNUR alarmado com ataques brutais de grupo armado em Moçambique

Este é um resumo do que foi dito pelo porta-voz do ACNUR Andrej Mahecic – a quem o texto citado pode ser atribuído – na coletiva de imprensa de hoje no Palais des Nations em Genebra

Adelia, 11, fugiu de sua casa em Cabo Delgado, norte de Moçambique, com sua família em 2020 e agora vive em um local para pessoas deslocadas internamente. © ACNUR/Martim Gray Pereira

O ACNUR, a Agência das Nações Unidas para Refugiados, está extremamente alarmado com os trágicos acontecimentos em Palma, na província de Cabo Delgado, em Moçambique.

Embora a informação verificada seja escassa com Palma completamente isolada, muitos homens, mulheres e crianças fugiram de suas casas e encontraram refúgio na mata circundante. Outros estão deixando Palma, tentando alcançar segurança em outras áreas. Segundo consta, dezenas de pessoas também foram mortas durante os ataques.

O ACNUR está profundamente preocupado com a violência cometida contra civis em Palma, incluindo mulheres e crianças, que representam a maioria dos deslocados internos no país.

Mais de cem deslocados chegaram no domingo de barco de Palma a Pemba, capital da província de Cabo Delgado, enquanto cerca de 40 outros foram evacuados ontem à noite para Pemba em aviões da ONU. A maioria eram mulheres e crianças, a maioria traumatizada e exausta.

Funcionários do ACNUR estão presentes no porto local e no aeroporto, enquanto as pessoas deslocadas pelo conflito chegam a Pemba. Nossa equipe está encaminhando pessoas vulneráveis ​​- incluindo mulheres mais velhas e crianças desacompanhadas – para assistência e serviços imediatos. Muitos deles precisavam de atendimento médico urgente.

No dia 29 de março, dois voos da UNHAS aterrisaram no aeroporto de Pemba transportando deslocados de Palma. O ACNUR, junto com a Save the Children, conseguiu hospedar todos os menores desacompanhados e mães solteiras com famílias temporárias para passar a noite. Nossa rápida intervenção os impediu de passar a noite no aeroporto.

Também há relatos de pessoas que tentaram cruzar a fronteira para a Tanzânia. Um grupo que chegou a Pemba contou aos funcionários do ACNUR sobre suas tentativas iniciais de buscar segurança na fronteira, que foram frustradas pela difícil travessia do rio.

As pessoas que chegaram a Pemba compartilharam detalhes da extrema brutalidade do grupo insurgente. Uma mãe nos contou que seu filho de 14 anos foi levado pelo grupo armado em 2020. Ela teve que fugir com a filha e o marido para salvar suas vidas. A família está fugindo novamente após o recente ataque em Palma

O ACNUR continua se mobilizando para uma resposta humanitária rápida, conduzindo avaliações de necessidades e encaminhando referências com base nas necessidades mais urgentes identificadas. Estamos planejando missões a áreas remotas como Mueda, onde pessoas deslocadas chegaram de Palma.

Mais de 43.000 pessoas já foram deslocadas na área de Palma como resultado de ataques anteriores em Cabo Delgado, uma das províncias mais pobres de Moçambique. No total, cerca de 670.000 pessoas foram deslocadas na província de Cabo Delgado, bem como nas vizinhas províncias de Nampula e Niassa, desde o início do conflito em Cabo Delgado em outubro de 2017.

Para mais informações sobre este assunto, entre em contato com: