As causas sociais com as quais Angelina Jolie se preocupa

Angelina Jolie pode ser uma atriz importante de Hollywood, mas também dedicou décadas de sua vida a ajudar causas de caridade em todo o mundo

© NurPhoto

Esse texto foi publicado originalmente na Vogue UK (em inglês) e você pode ler a versão original aqui.

Após se dedicar ao ACNUR por anos, Angelina Jolie foi nomeada Enviada Especial da Agência da ONU para Refugiados em abril de 2012. Desde então, a atriz advoga pela causa dos refugiados em diversas crises de grande escala.

Leia abaixo um trecho da matéria:


Angelina Jolie pode ser uma atriz importante de Hollywood, mas também dedicou décadas de sua vida a ajudar causas de caridade em todo o mundo. A vencedora do Oscar viajou para vários países devastados pela guerra com a ONU e usou sua plataforma pública para tentar encontrar maneiras de ajudar. “Eu me descobri uma estudante aos pés deles”, disse Jolie à Vogue em 2020. “Aprendi mais com [refugiados] sobre família, resiliência, dignidade e sobrevivência do que posso expressar”. Sem mencionar o fato de que ela também estabeleceu suas próprias organizações.

Para marcar o destaque de Jolie na capa da edição de março de 2021 da Vogue britânica, examinamos mais de perto algumas das organizações sem fins lucrativos que ela defende abaixo.

 

Agência da ONU para Refugiados

Como Embaixadora da Boa Vontade do ACNUR, Jolie participa da reunião anual do Comitê Executivo do ACNUR em outubro de 2011 em Genebra, Suíça © Handout

Como enviada especial da ONU, Jolie começou a visitar campos de refugiados quando tinha vinte e poucos anos. Embora tenha feito uma doação financeira ao ACNUR, ela também ajudou a financiar programas de longo prazo de saúde e conservação. E ela ajudou a construir escolas para meninas refugiadas. “As meninas de uma escola que apoio no campo de Kakuma, no Quênia, seguiram em frente, por meio de muito trabalho e habilidade, para alcançar alguns dos melhores resultados de exames do país”, escreveu ela para o Financial Times em 2020. “Mesmo antes da pandemia, metade de todas as crianças refugiadas estava fora da escola e apenas três por cento dos jovens refugiados conseguiram acesso ao ensino superior. Este é um terrível desperdício de potencial humano. Nesta época de coronavírus, iniciativas que ajudem as meninas a permanecer na escola são essenciais. ”

 

Iniciativa de Prevenção à Violência Sexual em Conflitos

Jolie e o ex-secretário de Relações Exteriores, Lord William Hague, fundaram a Iniciativa de Prevenção da Violência Sexual em Conflitos em 2012. “No final das contas, ainda tratamos a violência contra as mulheres como um crime menor”, disse Jolie em 2018. “Mais de 150 países já assinaram um compromisso para acabar com a impunidade por estupro em zona de guerra. Existem novas equipes para reunir evidências e apoiar os processos. Estive no Quênia no verão passado quando as tropas de manutenção da paz da ONU receberam novo treinamento, já que as forças de manutenção da paz têm sido parte do problema. Estamos trabalhando com a OTAN no treinamento, proteção e contratação de mais mulheres para o serviço militar, mas ainda há muito a fazer”.

Jolie durante uma visita ao campo de Kutupalong para refugiados Rohingya em Bangladesh, 2019. © K M Asad

 

War Child UK

Em 2014, Jolie e Stella McCartney lançaram a campanha Draw Me To Safety com War Child UK, para ajudar crianças em perigo em países devastados pela guerra. “Um dos maiores desafios é persuadir as pessoas de que podemos realmente mudar essa situação”, disse ela na época. “Todos concordamos que o estupro é um crime terrível. Mas muitas pessoas se acostumaram a pensar nisso como uma característica inevitável da guerra”.

É um sentimento que ela ecoou em uma entrevista à Vogue no ano passado: “Eu vejo todas as pessoas como iguais. Eu vejo o abuso e o sofrimento e não posso ficar parada. Em todo o mundo, as pessoas estão fugindo de ataques de gás, estupro, mutilação genital feminina, espancamentos, perseguição, assassinato. Elas não fogem para melhorar de vida. Elas fogem porque não podem sobreviver de outra forma”.

Ela continuou: “O que eu realmente quero é ver o fim do que força as pessoas a deixarem suas terras natais. Quero ver prevenção quando pudermos, proteção quando necessário e responsabilidade quando crimes são cometidos”.

A Fundação Jolie-Pitt e a Fundação Maddox Jolie-Pitt

Jolie conhece crianças durante uma visita ao campo de refugiados batista Ja Mai Kaung em julho de 2015 em Myitkyina, Mianmar © Handout

Jolie falou sobre se apaixonar pelo Camboja depois de visitá-lo pela primeira vez há décadas. Em 2002, ela adotou seu primeiro filho, Maddox, do país. Um ano depois, ela estabeleceu sua primeira fundação, agora chamada de Fundação Maddox Jolie-Pitt. Em sua essência, visa erradicar a pobreza, melhorar a saúde e a educação e proteger o meio ambiente em todo o país. “Camboja foi o país que me alertou sobre os refugiados”, disse ela à Vogue no ano passado. “Isso fez com que eu me engajasse nas relações exteriores de uma maneira que nunca fiz, e me juntei ao ACNUR. Acima de tudo, me tornou uma mãe. ”

Quatro anos depois, Jolie e seu agora ex-marido, o ator de Hollywood Brad Pitt, criaram outra fundação juntos, a Fundação Jolie-Pitt. Seu principal objetivo é ajudar em causas humanitárias em todo o mundo. Quando o lançaram, doaram US $ 1 milhão (£ 730.000) para a Ação Global para Crianças (que encerrou as operações em 2010) e outro milhão de dólares para os Médicos Sem Fronteiras.

 


Este texto foi escrito por Susan Devaney para a Vogue UK em 1 de fevereiro de 2021. Leia aqui a versão original.