Uganda recebe milhares de refugiados do Sudão do Sul

A população de refugiados sul-sudaneses em Uganda triplicou e o país atualmente abriga a maior parte de cerca de 1,5 milhão de pessoas que foram forçadas a deixar o país.

KULUBA, Uganda, 15 de fevereiro de 2017 (ACNUR) – Sidah Hawa olha fixamente para o horizonte. O sol escaldante perpassa a escassa folhagem da árvore sob a qual ela está sentada com seus seis filhos enquanto ela alimenta Asanti, seu bebê de 18 meses. “Tenho sofrido bastante. Esses últimos dias têm sido muito difíceis”, ela diz após um longo silêncio. “Eu não tinha comida suficiente, apenas mandioca crua. Foi assim que eu alimentei meus filhos. Eles estavam exaustos”.

Sidah, 30 anos, chegou recentemente à Kuluba, pequena e empoeirada cidade localizada ao norte de Uganda, próxima a um dos muitos pontos ao longo da fronteira com o Sudão do Sul.

Ela é um dos milhares de refugiados que foram para Uganda desde que os conflitos recomeçaram no país em julho do ano passado, logo após o fracasso de um acordo de paz entre o governo e as forças da oposição.

O ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, anunciou na última sexta-feira (10) que mais de 1,5 milhão de pessoas já foram forçadas a se deslocar do país para buscar segurança desde que o conflito eclodiu em dezembro de 2013. Isso torna a crise de refugiados do Sudão do Sul a maior da África e a terceira maior do mundo, atrás apenas da Síria e do Afeganistão, ainda que receba menos atenção e recursos.