Dos 17,2 milhões de refugiados sob a responsabilidade do ACNUR, 6,4 milhões tem entre 5 e 17 anos, ou seja, estão em idade escolar. Seu acesso à educação é limitado e cerca de 3,5 milhões deles estão impossibilitados de frequentar a escola.

A Declaração de Nova York sobre Refugiados e Migrantes assinala a educação como um elemento crítico da resposta internacional aos refugiados. Além disso, o Objetivo 4 da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável visa assegurar “educação inclusiva e de qualidade, e promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos”.

O ACNUR faz parceria com governos e organizações internacionais para assegurar uma educação de qualidade para crianças e jovens refugiados em todos os lugares. Com a sua ajuda, eles podem aprender a reconstruir suas vidas.

A educação é um direito humano básico consagrado na Convenção sobre os Direitos da Criança de 1989 e na Convenção relativa ao Estatuto dos Refugiados de 1951.

A educação protege as crianças e jovens refugiados do recrutamento forçado para grupos armados, trabalho infantil, exploração sexual e casamento infantil. A educação também fortalece a resiliência da comunidade.

A educação empodera, dando aos refugiados o conhecimento e as habilidades para viver vidas produtivas, satisfatórias e independentes.

A educação inspira os refugiados, permitindo que eles aprendam sobre si mesmos e sobre o mundo ao seu redor, enquanto se esforçam para reconstruir suas vidas e comunidades.